Perfuração de Poços Artesianos e Semi-Artesianos
em todo norte de Minas


A perfuração de um poço tubular profundo ou semi-artesiano varia de acordo com as condições geológicas do local a ser perfurado, portanto a profundidade necessária para encontrar uma determinada vazão, sempre variará de acordo com a formação rochosa e sedimentar de cada região.

Os poços artesianos podem ser classificados em 03 tipos sendo que cada tipo exige um projeto diferente, conforme abaixo:

clique na imagem para ampliar:
Perfuração de Poços
Perfuração de Poços
Perfuração de Poços
Perfuração de Poços
Perfuração de Poços
Perfuração de Poços

Os poços podem ser classificados em 03 diferentes tipos conforme abaixo:

Solicite um Orçamento:

SAIBA MAIS SOBRE POÇO ARTESIANO E POÇO SEMI ARTESIANO

Saiba como fazer um poço artesiano e semi artesiano - e quanto custa um poço artesiano e semi artesiano - tipos de poços artesianos - quanto tempo demora para perfurar um poço artesiano e semi artesiano - como perfurar um poço artesiano - quais os tipos de poços - construção de poços profundo - perfuração de poços a percurssão - realização de perfuração de poços a rotativa.

“A utilização de recursos hídricos subterrâneos, como fonte de abastecimento de água, é tão antiga que acompanha a humanidade desde os primórdios da civilização”,em praticamente todo o mundo, a maioria dos setores utiliza intensamente as águas subterrâneas como fonte de abastecimento com resultados fabulosos”.

Neste contexto, o uso das águas subterrâneas como fonte alternativa de abastecimento vem aumentando no país, desempenhando um importante papel no desenvolvimento econômico e social. “Muitos setores identificam nessas fontes, soluções rápidas com melhor viabilidade econômica e de qualidade em relação a outras. Em muitos casos, ainda são as únicas disponíveis, não sendo vantajoso, portanto, desperdiçá-las”, acrescenta.

POÇO ARTESIANO – VANTAGENS
• Não ocupa espaço em superfície
• Promove autonomia de abastecimento
• Permite a perfuração próxima ao local de uso
• As águas subterrâneas sofrem menor influência nas variações climáticas e são as maiores reservas de água doce disponíveis;
• As águas subterrâneas possuem em geral melhor qualidade física, química e biológica;
• As águas subterrâneas são menos vulneráveis a agentes poluidores advindos da superfície.
“A única desvantagem são os poços mal construídos, que representam prejuízos aos mananciais subterrâneos e ao contratante”, diz Oliveira.

- Poço artesiano em rocha Sedimentar
Nos poços artesianos para captação de água em solo sedimentar, é necessário a utilização de tubos ranhurados chamados de filtros e pré filtros, são pedras e minerais que auxiliam na filtragem da água.

- Poço artesiano em rocha Cristalina
No caso de poços artesianos instalados em solo cristalino, é preciso fazer a cimentação do espaço anular entre a superficie e o topo da rocha pois a captação de água no cristalino é mais limpa pois é extraida de fissuras nas rochas.

EQUIPAMENTOS

- Perfuratriz rotativa
Uma máquina perfuratriz rotativa normalmente é equipada com todos ou com uma combinação dos seguintes componentes: motorização (um motor a explosão ou um motor elétrico); sistema de transmissão de potência (sistemas mecânicos, hidráulicos, pneumáticos ou elétricos); mecanismo rotativo (mesa rotativa ou fixa, cabeçote fixo ou móvel mecânico, ou motores de acionamento hidráulico ou pneumático ou elétrico); mastro ou torre; hastes (de perfuração e de acionamento ou Kelly); sistema de circulação de fluido (linhas de transmissão com um compressor de ar ou uma bomba de lama, ou ambos); chassi; equipamento de pull-down (sistemas de cilindros hidráulicos e prendedores, correntes acionadas hidráulica, pneumática ou eletricamente, cabo ou pinhão e cremalheira); equipamento de levantamento (guincho + cabo, ou o equipamento de pull-down usado em reverso); equipamento de manuseio da haste de perfuração; e dispositivos de nivelamento acionados hidraulicamente.

- Perfuratriz a Percussão (Percussora)
Uma máquina perfuratriz rotativa normalmente é equipada com todos ou com uma combinação dos seguintes componentes: motorização (um motor a explosão ou um motor elétrico); sistema de transmissão de potência (sistemas mecânicos, hidráulicos, pneumáticos ou elétricos); mecanismo rotativo (mesa rotativa ou fixa, cabeçote fixo ou móvel mecânico, ou motores de acionamento hidráulico ou pneumático ou elétrico); mastro ou torre; hastes (de perfuração e de acionamento ou Kelly); sistema de circulação de fluido (linhas de transmissão com um compressor de ar ou uma bomba de lama, ou ambos); chassi; equipamento de pull-down (sistemas de cilindros hidráulicos e prendedores, correntes acionadas hidráulica, pneumática ou eletricamente, cabo ou pinhão e cremalheira); equipamento de levantamento (guincho + cabo, ou o equipamento de pull-down usado em reverso); equipamento de manuseio da haste de perfuração; e dispositivos de nivelamento acionados hidraulicamente.

- Perfuratriz a Ar Comprimido (roto-pneumática)
O princípio do método roto-pneumático é baseado numa percussão em alta frequência e de pequeno curso dado por um martelo (megadrill) em uma broca (bit) que, concomitantemente, é rotacionado triturando e desgastando a rocha. O fluido é o próprio ar comprimido transmitido pelo compressor por dentro da coluna de perfuração, passando por dentro do martelo e da broca. A perfuratriz é composta basicamente de: um compressor (unidade geradora do sistema pneumática); um martelo de impacto (megadrill - ao lado); e brocas (bits de botões e/ou pastilhas feitas de carbureto de tungstênio).

 

LEGISLAÇÃO
Para a perfuração do poço tubular, conhecido popularmente como artesiano, é preciso realizar estudos prévios. O objetivo é localizar águas subterrâneas, com a identificação e a determinação na superfície de locais onde possam ocorrer em sub-superfície, sob condições que garantam sua utilização de modo fácil e econômico. “Esses estudos requerem a aplicação de conhecimentos científicos, tecnologias, experiência em perfuração e manifesto senso comum”. O projeto terá que ser, então, submetido aos organismos estaduais de gestão dos recursos hídricos para obtenção de licença. “A lei federal 9433 – Política Nacional de Gestão dos Recursos Hídricos diz, em seu artigo 12, que: ‘Estão sujeitos a outorga pelo Poder Público os direitos dos seguintes usos de recursos hídricos:
II – Extração de água de aquífero subterrâneo para consumo final ou insumo de processo produtivo. Portanto, segundo a legislação pertinente, a água bombeada de poços pode ser utilizada para qualquer fim.
Além disso, tanto o projeto quanto a construção de poços tubulares devem observar as normas técnicas da ABNT em vigor: NBR 12212 – Projetos de poços tubulares e NBR 12244 – Construção de poços tubulares.

Atualmente existe tecnologia para executar perfuração de poços em qualquer tipo de terreno. É fundamental, porém, desenvolver estudos prévios sobre o solo. Os tipos de formações geológicas nas quais a água subterrânea pode ser encontrada constituem o objeto de pesquisas, descritas por geólogos e hidrogeólogos em centenas de publicações bibliográficas e também muitas vezes em forma de mapas, para a obtenção de informações sobre alguma área específica para captação e uso de água subterrânea, o técnico responsável geralmente utiliza informações existentes nos mapas regionais e na bibliografia, dados da geologia estratigráfica e estrutural, bem como banco de dados de poços, se houver.
Além disso, busca informações locais baseadas principalmente na observação e na coleta de dados: identificação de afloramentos de rochas na área em questão e nas proximidades; córregos, vertentes e vegetação; dados de poços existentes, como profundidades, diâmetros, vazões; evidências de ocorrência de estruturas geológicas e, muitas vezes, também buscando auxílio na interpretação de fotografias aéreas especiais, que possibilitam esteresocopia e interpretação da geologia estrutural da área; existência de falhas e/ou fraturas, lembrando que métodos geofísicos investigatórios também podem auxiliar na interpretação de ocorrências em subsuperfície, a exemplo da Sísmica de Refração e da Sondagem Elétrica Vertical (SEV).
Os resultados dos estudos preliminares são apresentados em relatórios e mapas, indicando onde a água pode ser encontrada, em que profundidade, volume e provável qualidade. “Juntamente com esse material é apresentado um projeto técnico de perfuração baseado nas características da geologia local e na demanda do usuário”,

QUAL O VALOR DE UM POÇO

O preço de um poço depende de vários fatores: volume produzido, tipo de rochas que serão perfuradas (duras ou brandas), profundidades dos níveis de água (na região metropolitana de São Paulo, por exemplo, há captações hoje entre 150 e 300 metros - algumas podem chegar a 400 metros).
Ainda assim, não é em qualquer lugar que a água pode ser facilmente encontrada. Nas regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas, por exemplo, a oferta de água subterrânea é menor que as de águas superficiais. Por isso, o indicado é fazer um estudo preliminar para verificar o local ideal para o projeto. Projetos e obras podem ter custos que variam entre R$ 100 mil e R$ 300 mil. Além disso, há uma manutenção anual, que pode variar de R$ 4 mil a R$ 10 mil.
E não tente fugir dos preços altos. "Não realizar todos os passos necessários para a construção de um poço pode trazer desvantagens, desde o volume produzido à qualidade da água. Também é necessário ter as licenças em dia e uma empresa habilitada para realizar uma obra geológica, e não um buraco", alerta o especialista, reforçando que, em caso de irregularidades, o proprietário do local pode responder por crime ambiental, em pena que pode variar de seis meses a um ano de reclusão ou multa alta.
Além das obras do poço, os interessados também devem arcar com os gastos com encanamentos e peças que levem de fato a água dos poços a uma caixa d'água e, a partir daí, até as torneiras por meio de um sistema de distribuição do líquido. Essas obras podem estar inclusas no projeto do poço ou podem ser integradas ao sistema de abastecimento que o imóvel já possuir.
Fique atento também aos riscos: nem sempre há como saber antes da obra a qualidade e a presença do líquido. E, após a perfuração, não é sempre que a quantidade presente na bacia perfurada conseguirá atender à demanda exigida pelos consumidores do poço.

Por fim, também deve-se levar em consideração a economia financeira gerada com o poço. Águas subterrâneas são em geral menos custosas que as águas das concessionárias, principalmente provenientes de captações superficiais. Em São Paulo, por exemplo, a Sabesp, antes dos planos atuais de contingência, cobrava de empresas comerciais e industriais mais de R$ 12 o m³ da água distribuída pela empresa", exemplifica Carlos Giampá.
Porém, com o poço, não há mais conta de água cobrada a partir do consumo, restando apenas os custos de serviços de esgoto e de manutenção do poço. Dependendo do uso, a economia pode ser considerável.

MANUTENÇÃO
Todo poço em operação necessita de manutenção. Poços em funcionamento, assim como qualquer equipamento em uso, podem apresentar desgastes e avarias ocasionados por motivos diversos. Além das manutenções rotineiras nos materiais e equipamentos, como tubos, bombas, cabos e comandos, ocasionadas pelo uso intenso, os poços poderão apresentar outros sintomas que exigirão a avaliação e aplicação de metodologias e procedimentos específicos na solução e reabilitação à condição original. Sobre a frequência de manutenções preventivas depende da forma como os poços são utilizados. Normalmente aconselha-se que anualmente sejam avaliadas as questões da qualidade da água produzida, assim como nos equipamentos hidráulicos e elétricos"

É BOM SABER!
A terminologia ‘poço’ tem sido utilizada para diferentes tipos de construções. Saiba diferenciá-las:

Poço tipo Cacimba ou Doméstico
Poço de grande diâmetro (1m ou maior) aberto manualmente no solo. Dificilmente penetram em rocha, geralmente captam água do lençol freático.

Poço tipo Maui
São galerias filtrantes construídas em regiões sedimentares, muito utilizados em regiões de ilhas marinhas.

Poço tipo Ponteira
Poço de pequeno diâmetro construído com auxílio de jato de água em região sedimentar, onde o lençol freático é pouco profundo. É aplicada uma ponteira filtro na base para captar água. Captam água do lençol freático e ou aquíferos rasos

Poço artesiano (tubular)
Obra de hidrogeologia de acesso a um ou mais aquíferos, para captação de água subterrânea, executada com Sonda Perfuratriz mediante perfuração com diâmetro nominal mínimo de 04 polegadas, podendo ser parcial ou totalmente revestido em função da geologia local.
A vida de um poço
A Vida média de um Poço artesiano é de 35 anos, podendo chegar a um maior tempo se houver sua manutenção feita periodicamente, ou menor, se houver falhas nesses quesitos ou na perfuração.

 

Olá! Clique em um dos nossos representantes abaixo para ter atendimento online.

Atendimento Online pelo WhatsApp